OS TRÊS LOBINHOS

Postado em 2 de julho de 2017 por Seja o primeiro a comentar

Por Edson Pazel

 

Muitas pessoas devem conhecer a história infantil dos três Porquinhos, divulgada por Joseph Jacobs. Nessa história o Lobo mau tenta derrubar a casa dos três Porquinhos, que, deixando a casa de sua mãe, passam a viver sozinhos. Os dois primeiros, Cícero e Heitor, têm suas casas, de palha e madeira, derrubadas; mas graças ao terceiro Porquinho, de nome Prático, que cria uma casa de tijolos, eles impedem que o Lobo derrube esta também, conseguindo, no fim, acabar com o terrível Lobo mau.

Mas o que aconteceu depois com os três Porquinhos, que passaram a viver juntos na casa de tijolos? Muitas ideias podem existir para a continuação desses irmãos. Aqui eu apresento minha própria versão do que aconteceu com eles e quem mais entrou nessa história.

Após os três Porquinhos se livrarem do Lobo mau, eles não só salvaram suas vidas, mas também livraram aquela região da presença maligna desse indivíduo. Com a região em paz, os Porquinhos decidiram que poderiam melhorá-la. Então Prático, com a ajuda de Cícero e Heitor, decidiram criar várias casas de tijolos para os animais morarem. A ideia era ótima e o lucro prometia ser também interessante. Com isso, através de trabalho árduo e duro, os três criaram várias moradias na região, em torno de quinze, desenvolvendo um verdadeiro condomínio de casas de tijolos. Assim que as concluíram, fizeram a proposta para os animais alugarem essas moradas.

Vários animais, vendo essa oportunidade e possibilidade, decidiram se mudar para as novas moradias. Dentre eles o casal de Ouriços, senhor e senhora Ouriço; a mãe Pata e seus cinco Patinhos, que viviam em uma residência próxima ao lago; Seu Castor e Dona Castora, que ganhavam a vida construindo represas. E outros animais importantes também compraram as casas dos Porquinhos, como: a esperta Raposa, dona de um cassino; o conde Tigre e sua condessa Tigresa; o Barão Leão e a Baronesa Leoa, com seus filhos Leões e Leoas; o mágico Coelho, com sua esposa Coelha e seus treze Coelhinhos. Em que todos esses animais passaram a viver com maior segurança e conforto nas casas de tijolos dos Porquinhos, rendendo a estes bons lucros.

Mas o que os Porquinhos não esperavam era que havia três indivíduos, que mantinham em seu sangue a lembrança do Lobo mau: os Lobinhos, filhos do Lobo mau, que, diferente do pai, eram bondosos e somente queriam um espaço de vida naquela região. Um se chamava Ouviru, e estava sempre pronto a ouvir as ideias dos outros; outro se chamava Centrado, firme e direito, sabia focar em ideias corretas; outro era Astucio, esperto e inteligente, possuía conhecimentos em tecnologia. Jovens que ficaram tristes, é claro, com o fim do pai; mas não procuraram vingança, por entender que ele havia pago por suas maldades. Acontece que não pensaram, com a morte de seu pai, em deixar a região. Ao contrário, procuravam uma maneira de viver nela, longe da caverna onde conviveram com o pai.

Primeiro eles pensaram em alugar uma morada dos três Porquinhos. Só que estes, ao saberem que aqueles eram filhos de antigo seu inimigo, mesmo sendo bondosos e diferentes do Lobo mau, não aceitaram. Então os três Lobinhos pensaram em criar, eles próprios, um lugar para morar e viver ali mesmo. E decidiram construir não casas de tijolos, mas algo melhor: um grande prédio, cimentado e com estruturas de ferro, com três andares espaçosos, um para cada Lobinho. Construção que rendeu trabalho, impressionando a todos os outros animais, por sua grandiosidade e firmeza; mesmo entre aqueles que viviam nas casas de tijolos do condomínio dos Porquinhos.

Os três Porquinhos, ao verem o prédio dos três Lobinhos, sentiram-se ameaçados, imaginado que os animais de seus condomínios saíssem das casas de tijolos para pedir aos Lobinhos para criarem prédios para eles. Foi então que, diante dessa possível ameaça e movidos por certa inveja, os porquinhos decidiram eliminar o prédio.

Prático desenvolveu um plano, que consistia no seguinte: ele iria com os irmãos, à noite, quando os Lobinhos estivessem dormindo, juntos fariam buracos nas laterais do prédio e ali colocariam bombas. Quando elas explodissem, a terra abaixo do prédio cederia e, sem a estrutura do chão, ele cairia. Quem olhasse não pensaria que fora uma bomba que fizera isso, mas sim a falha dos Lobinhos ao criar uma moradia em terra firme; levando os animais a sentirem medo de morar em um prédio dos Lobinhos.

Então, naquela noite, Prático, Cícero e Heitor foram até o prédio dos três Lobinhos, enquanto estes dormiam. Primeiro cavaram quatro buracos nas paredes laterais do prédio e colocaram as bombas na base inferior dessas paredes; preparadas para explodir após seis horas armadas. A ideia era que houvesse tempo para que os buracos fossem tampados e as ferramentas usadas no processo fossem escondidas, para não levantarem suspeitas sobre os Porquinhos. Uma ideia que parecia perfeita. Mas nem tudo são rosas… pois, segundo um ditado: até o melhor plano do mundo pode falhar. E os Porquinhos entenderam isso! Pois os Lobinhos eram mais espertos e preparados do que se imaginava.

Quando construíram o prédio, os Lobinhos criaram algo para a segurança, tanto interna quanto externa. Astucio, com seu conhecimento tecnológico, desenvolveu um aparelho de monitoramento e segurança no prédio. Era uma antena parabólica, colocada no topo do prédio, ligada a um computador. Essa antena mandava sinais de captação de dentro do prédio e ao captar a presença das bombas nos quatro cantos do prédio emitiu um estrondoso alerta. Os Lobinhos acordaram, foram ao local, desenterraram os objetos e descobriram que se tratava de bombas. Eles eram bondosos, mas espertos, logo perceberam que as bombas eram dos três Porquinhos.

- O que faremos? – perguntou Centrado. – Sem dúvida foram os Porquinhos quem plantaram essas bombas abaixo de nosso prédio…

- Sim, eu sei. Mas isso significa que devemos agir com vingança. – expôs Astucio. – Vamos somente assustá-los.

- Como? – quis saber Ouviru.

- Vocês verão… – disse Astucio, com tudo já planejado em sua mente.

Sabendo da existência de uma área deserta, próxima do condomínio dos Porquinhos, os Lobinhos plantaram lá as bombas e as explodiram. A explosão criou um terremoto, atingido o condomínio dos Porquinhos. Esse terremoto fez balançar todas as casas do condomínio, tanto onde viviam os Porquinhos como onde moravam seus inquilinos. Isso provocou rachaduras, tanto no chão, como também nas paredes das casas.

- Que é isso? – disse Cícero, sentindo o terremoto.

- Não sei! Mas é melhor verificarmos. – atestou Prático.

Quando o terremoto parou, os Porquinhos e os moradores do condomínio, saíram para saber o que ocorrera e ao constatar o estrago perceberam que tinham comprado casas em área de terremotos. Só que os Porquinhos, ao verem que o prédio dos Lobinhos ainda estava de pé, sabiam que algo mais havia provocado o terremoto…

Os animais ficaram preocupados com as rachaduras em suas casas, mesmo com os Porquinhos garantindo que iriam arrumar tudo.

No dia seguinte, os Lobinhos foram falar com os Porquinhos, que concertavam as rachaduras das casas.

- Sinto muito pelo que ocorreu. – declarou Astucio.

- Sentem mesmo? – disse provocativo Prático.

- Diz isso Prático, pois sabe que tiramos as bombas que plantaram em nosso prédio e explodimos na área de suas casas?

- Sim! Digo… Que bombas nós plantamos debaixo de seu prédio? – falou meio se embananando Prático.

- Não minta para nós. Sabemos que tentaram explodir nosso prédio usando bombas. Nosso equipamento as captou.

- Isso mesmo! – disse Ouviru.

- Foi o que Astucio falou. – declarou também Centrado.

- O que querem? – quis saber Cícero, compreendendo a esperteza dos Lobinhos.

- Podemos nos unir. Em vez de brigarmos para ver qual de nossas construções é a melhor, podemos unir nossas capacidades em construir moradias e fazermos sociedade em um empreendimento.

- Qual empreendimento? – quis saber Prático.

- Uma grande empresa de construção, chamada “Amigos da Construção LTda”, que trará lucros a nós e a vocês!

Foi assim que nasceu “Amigos da Construção LTda”, que,sob o comando dos três Porquinhos e dos três Lobinhos, foram construídas casas e prédios para os animais. Que com lucros e felicidades, foram vivendo felizes para sempre!

 

Categoria : Releiturinhas
  • twitter
  • facebook
  • linkedin
  • delicious
  • digg

Sobre admin

Deixe um comentário